Foi o que conseguiu o capítulo de ontem da novela Avenida Brasil, que eletrizou o telespectador com a vingança cruel da personagem Nina contra Carminha. Foi no centésimo quarto capítulo da novela, que Débora Falabella brilhou como todos que apostam e confiam no seu trabalho esperavam que ela pudesse ter a chance de fazer. Adriana Esteves não faz por menos; É cena boa atrás de cena boa, sem deixar nenhum vestígio de saudade na gente daquela vilã descabida da última novela das nove.

É bacana deixar claro que o sucesso da novela e das personagens não é mérito apenas das duas. A trilha incidental, a direção caprichada, a fotografia (que tenta mostrar um novo jeito de fazer novela) contribuem e em grande parte com esse alarde todo que Avenida Brasil têm promovido nas ruas, nas redes sociais e nos comentários positivos que ouço por onde passo.

Com o perdão do clichê, mas "com um desejo enorme de revolucionar", a novela Cheias de Charme (também) está num dos seus melhores momentos, promovendo (também) a ascensão de "empreguetes" contra patroas. Penha, Rosário e Cida estão ricas, enquanto Chayene e a família Sarmento enfrentam a decadência abrupta, sem chance de socorro. Por falar em Socorro, impossível falar de Cheias de Charme e não mencionar Titina Medeiros, que está IMPECÁVEL como a fiel escudeira da vilã Chay. Parece que o papel foi feito pra ela, tamanha a desenvoltura com a qual ela transforma suas cenas em pequenos grandes espetáculos. Não que as outras atrizes do núcleo central não mereçam destaque, mas não é novidade o talento de Cláudia Abreu, Taís Araújo, Isabelle Drummond, Leandra Leal, entre outros (Exceto Marcos Palmeira que, ao que me parece, foi um erro grave na escalação de elenco. Não achou o tom certo do Sandro até hoje).
Vale destacar que, mesmo sendo basicamente o mesmo assunto (vingança de humilhadas contra opressoras) cada uma está sabendo dosar seus atributos de forma a conquistar os espectadores e torná-los fiéis. Alguns, como eu (risos), são incapazes de marcar um barzinho com amigos, ou um compromisso qualquer, quando o horário coincide com o das novelas.

E, no meio de tanta coisa boa, tem Amor Eterno Amor, pois toda família tem uma maçã podre. Elizabeth Jhin errou na mão de novo, como errou em sua novela de estréia "Eterna Magia" (2007). As cenas são pesadas, os personagens obscuros e nada consegue ser tão atraente aos olhos do povo, ainda mais quando se tem na mesma emissora dois grandes sucessos simultaneamente no ar. Resta torcer para que Elizabeth volte a escrever uma trama mais ágil como "Escrito nas Estrelas" que possa divertir e entreter o telespectador das 18h.
No geral, a Rede Globo deve estar sorrindo de orelha a orelha. Avenida Brasil e Cheias de Charme são sucesso de público e de crítica. Gabriela é sucesso de crítica e tem revelado surpresas no elenco, como o caso de Giovanna Lancelotti como a Lindinalva e Leona Cavalli como a Zarolha. Amor Eterno Amor não está fazendo bonito, mas também não está fazendo feio. E Malhação, bem... Malhação tá entrando numa "nova fase" e agora tudo vai melhorar (mesmo que essa seja a frase que a gente sempre ouve quando vai estrear uma nova historinha).
Para nós, telespectadores, resta pegar um pote de pipoca e um copo de guaraná e esperar as delícias que estão por vir nesses próximos capitulos!